Notícias
 

Publicada em 16.01.2021

A história da amizade entre um homem e um leão

 

O médico veterinário Dênisson Souza e Léo - o leão do Parque de Dois Irmãos – já se conhecem há 18 anos. O relacionamento entre eles representa um exemplo para os amantes dos animais selvagens e os que lutam pelo bem-estar das espécies

 

Léo chegou ao Parque Estadual de Dois Irmãos em 2000. Ele ficou sob os cuidados da equipe técnica durante um bom tempo num setor específico, fora da área de exibição. Isso porque ainda precisava de atenção especial após chegar de um circo bem traumatizado e com as garras arrancadas. Um dos primeiros técnicos a cuidar do felino no equipamento foi Dênisson Souza, que atualmente integra a equipe do zoológico, e em 2002, era estudante de medicina veterinária e atuava no local.

 

Dênisson conta que foi logo estabelecendo uma aproximação com aquele leão assustado, mas que adorava uma atenção especial. “A amizade começou quando ele ainda era um leão juvenil. Durante o estágio, falava com Léo todos os dias, ao chegar e antes de ir embora. Assim conquistei a confiança dele”, narra. Após um período sem trabalhar no zoológico, o médico veterinário retomou as atividades no Dois Irmãos em 2009, já como profissional, e de lá não saiu mais, cuidando não só do Leão, que era o seu xodó, mas de todos os animais do plantel.

 

 

 

Entre as principais ações que garantiram a longevidade do Léo, recém completados 21 anos, e cuja espécie em vida livre não chega aos 12 –, merecem destaque uma alimentação balanceada, exames de rotina, além de atividades para manter o comportamento natural da espécie. “Na rotina diária, sempre olhava o animal de perto, junto com os tratadores. Dávamos carinho e observávamos o seu comportamento. Se havia sobra de alimentos na dieta oferecida ou qualquer outro detalhe fora da rotina, isso logo era investigado”, relatou Dênisson.

 

E foi com esta dedicação que a relação de confiança com o animal selvagem se manteve até hoje. Quem conviveu ou presenciou alguns momentos entre Léo e Dênisson, garante que, perto do médico veterinário, o leão virava um gatinho. Perguntado sobre esta proximidade, o veterinário do zoológico esclareceu: “tinha uma relação de muita confiança com o animal. Ele permitia muito afago e encostava a cabeça na grade para ser acariciado. Várias vezes fiquei sozinho com Léo e assobiei uma música no seu ouvido. Eu ficava ali por muito tempo, coçando a sua cabeça. Era maravilhoso vê-lo descansar a cabeça na minha mão”, falou emocionado.

 

Membro da junta veterinária que cuidava de Léo, o veterinário Dênisson fez um relato do quanto foi difícil lidar com a doença do “amigo”. Ele se esforçou bastante para segurar a emoção, mas foi impossível não encher os olhos de lágrimas quando perguntado sobre a importância da perda daquele animal considerado o mais social dos felinos, que ocupa o topo da cadeia alimentar e que são de grande importância para o equilíbrio dos ecossistemas onde vivem. “O diagnóstico foi um "baque" pesado. O sentimento de amor que tinha por ele era muito forte. Era uma amizade que já durava 18 anos, então não está sendo fácil. A gente sabia que a partida dele era algo certo, mas nunca queríamos aceitar. Minha maior preocupação sempre foi de não vê-lo sofrer”, ressaltou.

 

Fazendo um apanhado de tudo aquilo que viveu e compartilhou cuidando de Léo nos últimos anos, Dênisson Souza ressaltou que, “aprendeu que os animais demonstram os sentimentos mais sinceros e não guardam rancor. Agem apenas por instinto”. Completou deixando uma mensagem para Léo, caso ele conseguisse entender cada palavra sua, além de todo cuidado, atenção e amor oferecidos durante todos esses anos: “Eu agradeço a Léo por tudo que ele me proporcionou de bom. Pela confiança e pelo amor que me deu. E finalizo dizendo que sempre fiz tudo que esteve ao meu alcance para cuidar bem dele”, concluiu.

 

Texto: Flávia Cavalcanti

Fotos: Lu Rocha/Semas-PE e Acervo pessoal de Dênisson Souza